Redução de danos

O consumo injetado de opiáceos ou outras substâncias psicoativas está frequentemente relacionado a riscos e danos como:

  • Infeções virais: VIH, Hepatite C, Hepatite B
  • Infeções bacterianas: abcessos, celulite infecciosa, septicémia, endocardite
  • Danos na pele e veias: hematomas, flebite, amputações, problemas circulatórios
  • Overdose

 

A redução de danos e o consumo mais seguro é possível com algumas medidas preventivas:

Prevenção de Infeções Virais

  • Use material de consumo novo (Kit).
  • Não partilhe qualquer material de consumo.
  • Use uma superfície limpa para preparar o consumo (desinfecte a superfície ou use algo como "campo", como por exemplo uma revista aberta).
  • Deposite o material de consumo usado em contentores próprios.
  • Vacine-se contra a Hepatite B (uma pessoa utilizadora de drogas tem direito à vacina de forma gratuita nos centros de saúde).
  • Faça o rastreio de VIH e Hepatites Virais regularmente. Se é portador de uma destas doenças, tem direito a cuidados de saúde e tratamento gratuito.

Prevenção de Infeções Bacterianas

  • Lave as mãos com água e sabão antes de consumir (ou use um toalhete de álcool).
  • A água para preparar a substância deve ser esterilizada (Kit). No caso de não ter um Kit, use água fervida (tem menos bactérias do que a água simples da torneira ou a água de garrafa).
  • Desinfecte a pele com toalhete de álcool antes de injetar.

Redução de danos nas veias

  • Injete na veia (nunca na artéria).
  • Injete no sentido do coração.
  • Evite injetar substâncias que causam maiores danos (cocaína, comprimidos, limão, vinagre).
  • Escolha o local de injeção de menor risco (1º braços, 2º mãos, 3º pernas, 4º pés. A região genital, virilhas e pescoço são zonas de grande risco).
  • Escolha uma agulha adequada e de menor calibre possível.
  • Utilize um garrote para sobressair as veias antes de injetar.
  • Utilize uma técnica correta de injeção.

Se tem dúvidas em relação às infeções virais, ao consumo mais seguro ou acesso ao tratamento, procure apoio junto de uma equipa de redução de danos.

Prevenção de Overdose

Evitar consumir sozinho

  • Evite consumir sozinho.
  • Deixe a porta destrancada do WC ou quarto onde está a consumir.
  • Se consome com alguém, tente não o fazer exatamente ao mesmo tempo.
  • Perceba se as pessoas com quem consome sabem o que fazer em caso de overdose.

Forma de consumo

  • Existe maior risco de sobredosagem no consumo injetado do que fumado, oral, etc.
  • Não escolher a via injetada diminui o risco de overdose.

Mistura de substâncias

  • A mistura de substâncias sobrecarrega o organismo, havendo maior risco de sobredosagem.
  • O risco é maior, mesmo na mistura de 1 estimulante e 1 depressor.
  • Se vai misturar álcool com outras substâncias psicoativas, o melhor será consumir primeiro e depois ir bebendo álcool e não ao contrário.

Atenção aos períodos de abstinência

  • Após períodos de abstinência há maior risco de ter uma overdose.
  • Se esteve internado, numa comunidade terapêutica, na prisão, ou deixou de consumir por algum tempo, corre mais riscos.
  • Se consumir a dose que consumia antes do período de abstinência, isso pode ser fatal.
  • Reduza a dose de consumo.

Conhecer o seu estado de saúde

  • Pessoas com hepatite ou outros problemas hepáticos, problemas respiratórios, desidratadas ou com infeções ativas, têm maior risco de overdose.
  • Alimentar-se, beber água, tratar as infecções, dormir, é uma forma de reduzir o risco.

Qualidade da droga

  • As substâncias psicoativas compradas na rua são de qualidade/pureza imprevisível.
  • Ainda não existem serviços de drugchecking em Portugal, à excepção de atividades pontuais em contexto recreativo e festivais.
  • Se consumir substâncias de qualidade/pureza desconhecida, experimente primeiro pequenas doses de forma a diminuir os riscos.